A gente tem que abrir essas portas para ver o que detrás delas...

Édouard Mireault, professor de francização, diante da Cidade Proibida de Beijing

Eu, professor de francização, descobri a ANL durante meu curso sobre a aquisição de idiomas durante minha formação em didática de segundas línguas na Universidade Laval, com o Dr. Steeve Mercier. As discussões com esse professor sempre foram apaixonantes e, dentre as muitas recomendações que ele nos fez, ele nos incentivou
a começar a aprender um idioma distante.

Foi assim que decidi fazer o curso “elementar 1” de chinês da professora Sun Min, na Universidade Laval. Tendo sido eu mesmo iniciado à prática ANL, imediatamente encontrei nela as estratégias fundamentais de ensino que caracterizam essa abordagem: a partir de assuntos próximos a nós, a Sra. Sun modelizou as formas das perguntas para que os alunos possam se perguntar a cada sessão. Ao iniciar breves discussões contextualizadas pela professora, os alunos foram sistematicamente corrigidos, tanto na estrutura quanto na pronúncia. Logo, tornou-se natural para nós, durante as aulas ou avaliações orais, formular nossas frases espontaneamente, sem sequer pensar nisso: falando, aprendemos a falar.

Graças a essa experiência motivadora, eu queria continuar aprendendo chinês em imersão. Fui a Dalian, na China, para um curso intensivo. Que choque quando descobri a maneira de ensinar a língua pelos especialistas do Império do Meio! Eu tinha um curso de “escrita”, um curso de “gramática”, bem… Mas havia também um curso de “conversação”, durante o qual o professor quase nunca dava a palavra aos alunos! A base do curso foi trazer uma lista diária de cerca de 30 novas palavras por dia, que os alunos tiveram que recitar em voz alta por 20 a 25 minutos! E o que dizer dos tópicos abordados, como “casamento” ou “ar condicionado”, que conseguiram reduzir nossa motivação a zero no início de cada semana …

Há tanto interesse dos alunos em aprender uma língua estrangeira, mas isso muitas vezes é interrompido por causa de um ensino explícito de línguas que é completamente entediante. Da minha parte, tendo feito aulas baseadas na ANL e na educação tradicional, pude ver a diferença na progressão dos alunos. Na aula de Sun Min, os alunos deixavam as aulas motivados, animados por poder usar um idioma distante tão rapidamente e com a sensação de estarem sendo guiados.

Eu realmente espero que a ANL se desenvolva no ensino do mandarim, pois é uma abordagem motivadora que permita que você se comunique espontaneamente em uma língua estrangeira … no final, sem precisar correr para o fim do mundo!

Édouard Mireault
Professor de francização

Menu
X